aa5d619c-9093-4279-b5d3-b0138b0e0aad

UM BANHO DE AGROECOLOGIA NO VRP

 

A Articulação em Agroecologia do Vale do Rio Pardo – AAVRP é fundada no final de 2013, com o intuito de reunir em torno de si, entidades na região que trabalham com a Agricultura Familiar Camponesa, na promoção da produção orgânica e Agroecologia, buscando construir uma agenda conjunta e a organização de ações/atividades que fortaleçam a Agroecologia na região. Atualmente são 21 entidades/organizações, divididas entre escolas, universidades, sítios, sindicato, associações de agricultores/as, órgãos públicos, enfim uma representatividade diversa, própria da Agroecologia.

A Articulação se reúne uma vez por mês alternando local, promovendo nos 5 anos de existência, quatro Seminários Regionais de Agroecologia – SERA, trazendo diversos temas de debate, mesclado com oficinas práticas de socialização de técnicas e tecnologias de produção orgânica e Agroecológica. Um evento afirmado regionalmente que dá dimensão concreta das ações e envolvimentos das entidades que formam a AAVRP. Destaca-se outras atividades como encontros regionais de sementes crioulas, debates de temas específicos durante o ano e que foi tão decisiva para a criação do Bacharel em Agroecologia UERGS/AGEFA, atualmente em curso na região, bem como a Especialização em Agroecologia e Produção Orgânica em fase de conclusão, já se ensaiando para uma segunda edição.

Desta vez era o momento AAVRP dar um passo além, quando em reunião se decidiu por uma Semana dos Alimentos Orgânicos da AAVRP/2019. Assim, chegamos a uma semana de 12 dias, com o apoio da CPORG/RS, iniciada no dia 24/05, com 18 atividades previstas, ocorrendo 16 destas – (Os dias de campo no Sítio Surucuá em Rio Pardo e na propriedade de Jean Hirsch em Sinimbu, foram transferidos para julho devido as chuvas). Foram cerca de 52 horas de atividades envolvendo a Juventude do Campo e urbana, mulheres, feirantes, agricultores/as, escolas, sindicato, universidades,  trazendo temáticas como alimentação, preservação de abelhas, manejo de plantas espontâneas, certificação, produção e comercialização de alimentos orgânicos, cooperação agroecológica e demais temas. Houve a participação direta de quase 1400 pessoas, mais as duas atividades a se realizar, passará de 1500 participantes.

A SAO da AAVRP contou com a importante parceria da imprensa regional, jornais impressos, portais de informações, tv e rádio, publicaram durante a SAO, 30 reportagens jornalísticas, entre jornal impresso, tv, portal de informação e programas de rádio. Foram quase 10 minutos de tv, cerca de 120 minutos de entrevistas em Rádio, 10 inserções em jornais impressos e aproximadamente 20 reportagens em portais de informação. Foram mais de 50 fotos vinculadas a SAO nas mídias, o que contribui decisivamente para afirmarmos a Agroecologia na região, pela sua essência, produzir alimentos agroecológicos, os primeiros promotores de saúde pública.

Na noite de 05/06, na EFASC, foi feito um balanço geral SAO da AAVRP/2019, bem como uma avaliação da Semana, com cerca 80 participantes, onde se avaliou positivamente a articulação entre as entidades da AAVRP, que se fortalece a cada ação dessa envergadura, bem como a contribuição da imprensa regional, sendo decisiva para colocar a produção orgânica e a Agroecologia na agenda da região. Como destaca Sighard Hermany, do CAPA, há mais de 30 anos na promoção da Agroecologia: “Estamos vivendo um período diferente e poder participar e fazer uma semana como essa, nos dá muita esperança, porque estamos no caminho certo promovendo a vida, porque as pessoas são o que temos de mais importante nesse mundo”, finaliza. Que venha a II SAO da AAVRP em 2020.

João Paulo Reis Costa e Adair Pozzebon – Coordenação da AAVRP

fd1d8b8f-ff63-4439-bbee-779c2ca2823a

ccc8224c-ac42-4dcd-ba64-d0de03c1070a

ad8bd7c2-fea6-40b6-b00b-354cf2317bf4

aa5d619c-9093-4279-b5d3-b0138b0e0aad

a87e4ad8-8044-4f13-af19-cfb66257e1a0

581312c4-2ab0-4add-81fb-64c2c35d1150

02196e14-87c5-45aa-824f-30c5aa95104f

86e88f2d-2486-43b4-90f2-0784e16b99cd

3feae810-a1e5-4117-961b-fb2b45002d26

Mulher, Alimentação e Agroecologia em debate na Mercur

97d8919f-daba-4973-a188-a8084332c40d

Santa Cruz do Sul – As mulheres protagonizaram o debate na Semana de Alimentos Orgânicos da AAVRP/2019 no espaço da Mercur, onde cerca de 100 pessoas se reuniram para discutir a importância da mulher na produção de alimentos e promoção da Agroecologia, em evento chamado pela Articulação de Mulheres em Agroecologia (AMA).

Logo após uma mística cheia de significados, com presença de muita juventude, mulheres, técnicos/as em geral no Lab Social da Mercur, houve o encontro com a professora palestrante Cláudia Petry, da Universidade Passo Fundo. O evento contou ainda com depoimentos de representantes das Entidades que compõe a AMA, como a EFASC e CAPA. Além da oportunidade de compartilharmos experiências, saberes e degustar sabores de alimentos limpos, nutritivos e saudáveis produzidos por agricultores familiares locais.

Em seguida a professora Cláudia Petry destacou o protagonismo das mulheres na história da humanidade. “O ambiente doméstico é o primeiro ambiente onde ocorre a diferenciação dos afazeres femininos e masculinos, mantido pela construção social e históricas de que cabe à mulher a responsabilidade pelos afazeres da casa, pelo preparo da comida, pelo processamento dos alimentos, pelo cuidado com os filhos, doentes e idosos, além de todo processo reprodutivo, como gestação e amamentação, produtivo e comunitário”, finalizou.

Para uma das coordenadoras da AMA, a mestranda em Extensão Rural Marina Tauil, esse evento da das Mulheres na SAO da AAVRP foi considerado um sucesso para a organização, pois “a lógica de nossa sociedade patriarcal e machista, o papel da mulher é reforçado pelo ideário capitalista, pois é benéfico à manutenção de uma sociedade que só visa o lucro, que estes trabalhos não recebam o devido reconhecimento e seja realizado sem gratificação monetária. Assim os trabalhos nos espaços públicos são dominados exclusivamente por homens e requerem um esforço duplo, quando dizer, triplo, das mulheres para ocuparem estes ambientes”, pondera Marina.

Outro ponto destacado no debate foi o que debateu a professora Cristina Vergutz, também da coordenação da AMA: “A invisibilidade da luta das mulheres precisa ser derrubada e o paradigma de que o trabalho reprodutivo não tem valor. Fundamentais para suprir as necessidades vitais dos seres humanos e à manutenção das atividades preeminentes ao processo da vida, as mulheres, como seres humanos, detentoras de direitos, precisam ser vistas de forma igualitária e ter sua dignidade e cidadania respeitada”, enfatiza.

Assim a SAO da AAVRP 2019 vai indo para o seu último dia, nesse 05/06, as 20h onde será feito o fechamento dessas atividades, na sede da EFASC, juntando as entidades da Articulação, para avaliarem as 18 atividades propostas e fazer um balanço final das atividades.

899aa30b-cfb7-46f0-85a7-f5e9a83935d6

5f5bc03c-1473-4ab7-bd8a-4c91504689ad

3feae810-a1e5-4117-961b-fb2b45002d26

3f7e0596-af3e-4bee-ad14-21a26bb6611b

d47ce482-46f9-4647-b3a9-c1446ea9fe94