APL VRP: Missão à Itália realiza primeiras visitas técnicas

Representantes do APL Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo visitaram sistemas de produção de cevada, feijão, e massas, biscoitos e geleias

267802_552653_p1080872___confederacao_das_industrias_da_provincia_de__belluno

Missão em encontro na Confederação das Indústrias da Província de Belluno
(Divulgação)

 

Santa Cruz do Sul – Os representantes do APL Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo, Jesus Edemir Rodrigues e Olívio Faccin, que integram a comitiva na missão técnica à Itália, cumpriram os primeiros compromissos neste início da semana, na Europa. O grupo gaúcho realiza visitas a empreendimentos nas regiões de Vêneto e Emilia Romagna.

A missão cumpriu o primeiro roteiro visitando a Birreria Pedavena, uma antiga produtora de cerveja, onde se encontraram com representantes do Parque Nacional das Dolomitas, patrimônio da Unesco. Também visitaram o consórcio dos Feijões de Lamon, onde houve uma explanação das excelências produtivas do parque (cevada e feijão) e da combinação entre o sistema naturalístico/paisagístico do parque e a produção agrícola.

Na Confederação das Indústrias da Província de Belluno, o grupo conheceu a estrutura do sistema e setor alimentar e agrobusiness da região. Houve ainda uma visita à mostra de artistas italianos no Palácio das Condessas no Centro Histórico de Mel (Belluno). Por fim, houve uma visita à empresa de massas, biscoitos, geleias Balbinot Fornaio, que mostrou o conceito de desenvolvimento da província, na qual é valorizado o território. As paisagens são a grande referência para o desenvolvimento, onde tudo que é produzido é o melhor produto do mundo e com este conceito é vendido toda a produção.

Segundo o gestor do APL Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo, Jesus Edemir Rodrigues, alguns aspectos importantes nestes primeiros dias de missão são que a matéria prima toda é produzida no local. “Nada é comercializado sem agregar valor, ou seja, tudo o que deve ser industrializado ou transformado é feito por empresas locais. Existe um processo de inovação sempre presente, pois há a necessidade se reinventar de forma constate. Os agricultores são todos organizados através de cooperativas”, explica Jesus.

Outro aspecto importante é que o produtor de matéria prima, não necessariamente a industrializa, mas a empresa que a industrializa é da região. “Assim, a região se desenvolveu levando em conta o conceito de território e nele ninguém é melhor que ninguém. O marketing é o nome da própria região”, observa.

Cronograma de visitas

Ainda estão agendadas até o dia 3 de novembro, visitas no território de Valpolicella (zona de colinas produtoras de vinhos DOC); à EXPO Milão; Cascina Maccazzola (Paolo e Davide Maccazzola), empresa agrícola de cereais e zootecnia, com produção, transformação e venda de leite fresco; Fratelli Taroni Azienda Agricola Taronni, produção de gado de leite destinado a produção de queijos “Parmeggiano-Reggiano”; Consorzio Tutela – Prosciuto di Parma ou Aceto Balsâmico, produtos típicos da região (presunto cru e vinagre balsâmico).

Participam de um evento sobre produção de carne e sustentabilidade no Instituto Ata, Imaflora, Rainforest Alliance, Sustainable Agriculture Network e Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, uma atividade exclusiva sobre carne e sustentabilidade, com degustação e especialistas de diversos países. Também participam de atividades Associação Nacional das Cooperativas de Consumidores e de discussões no Future Coop Italian Food – Business Lounge e Food District – Supermercado do Futuro. Na visita ao Grupo Granarolo, irão conhecer produtos da cadeia do Leite e um projeto da Federação Italiana da Indústria Alimentar com seus associados.

A missão é composta por Eliane Maria Kolchinski, do APL do Vale do Taquari/UERGS; Florence Bas da Rosa Castiel, chefe da delegação; Anoar Mistura, agricultor familiar do APL Vale do Taquari; Gilberto Luiz Zanatta, representante da entidade gestora do APL Vale do Taquari; Oivio Faccin, do APL VRP/Emater e Jesus Edemir Rodrigues, gestor do APL VRP.

Integrantes do APL viajam à Itália para missão técnica

Na Europa, missão irá visitar experiências locais para buscar novidades para aplicar no Vale do Rio Pardo

Reunião discutiu resultados dos editais e ainda a participação da missão  (Michele Wrasse/CaseMKT)

Reunião discutiu resultados dos editais e ainda a participação da missão
(Michele Wrasse/CaseMKT)

Santa Cruz do Sul – Uma reunião de governanças do APL de Agroindústrias e Alimentos da Agricultura Familiar do Vale do Rio Pardo, na terça-feira, dia 20 tratou da apresentação e divulgação dos resultados dos editai 02 e 03/2015 da AGDI. O encontro ocorreu na sala Erva Mate da Afubra.

Outro assunto tratado foi a viagem de dois integrantes do APL para a missão técnica Agroindústria e Alimentos da Agricultura Familiar a ser realizada à Itália, visitando a região de Vêneto e Emilia Romagna. Segundo o coordenador do APL VRP, Jesus Edemir Rodrigues, que viajará junto com o técnico da Emater-Ascar/RS, Olívio Faccin, esta missão será muito importante para a região. “É uma oportunidade de vivenciar um pouco do trabalho desenvolvido pelos italianos e trazer a experiência para a nossa realidade”, explica.

A saída de Porto Alegre será neste domingo, dia 27, e o retorno ocorre no dia 3 de novembro. A programação conta com o Encontro da Confindustria Belluno na Confederação das Indústrias da Província de Belluno, estrutura do Sistema e Setor Alimentar/Agrobusiness; visita no território de Valpolicella (zona de colinas produtoras de vinhos DOC); visita na EXPO Milão; Cascina Maccazzola (Paolo e Davide Maccazzola), empresa Agrícola de cereais e zootecnia com mais de 100 vacas e diversos outros animais de estábulo, com produção, transformação e venda de leite fresco; Fratelli Taroni Azienda Agricola Taronni, produção de gado de leite destinado a produção de queijos “Parmeggiano-Reggiano”; Consorzio Tutela – Prosciuto di Parma ou Aceto Balsâmico, produtos típicos da região (presunto cru e vinagre balsâmico) tutelados, certificados e reconhecidos mundialmente.

APL VRP será contemplado com recursos do Estado

Edital prevê repasse de R$ 200 mil para a aplicação em projetos estruturantes

Agroindústria e produção de alimentos terá incremento na comercialização  (Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Agroindústria e produção de alimentos terá incremento na comercialização
(Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Santa Cruz do Sul – O Arranjo Produtivo Local (APL) Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo teve seu projeto contemplado no edital 3, lançado pela Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Desenvolvimento (AGDI) para receber recursos do Governo do Estado.

Este é o segundo edital que o APL VRP é contemplado. No primeiro, cujo resultado foi divulgado no mês passado, foi aprovado um projeto para desenvolvimento de ações de apoio à Governança, num total de R$ 150 mil. O novo projeto que foi contemplado com recursos de R$ 200 mil é para aplicação em projetos estruturantes. O APL VRP foi contemplado no projeto de Inteligência Comercial com o desenvolvimento de uma plataforma digital (software) de comercialização onde os agricultores familiares poderão cadastrar seus produtos e os mercadistas poderão cadastrar sua demanda, facilitando a interlocução dos agricultores familiares com os demandantes de sua produção agrícola, potencializando a comercialização.

Segundo o gestor do APL VRP, Jesus Edemir Rodrigues, os recursos são importantes para dar mais um passo para a consolidação da cadeia produtiva. “Tínhamos mais dois projetos que estavam concorrendo, e um em especial, mas que acabou na suplência. Iremos incrementá-lo e apresentar nos próximos editais para concorrer a recursos”, observou.

O foco deste projeto será a busca de recursos para atender a comercialização de alimentos por instituições, como associação de agricultores e cooperativas, critério estabelecido pela própria governança. Segundo o gestor do APL VRP, Jesus Edemir Rodrigues, a região buscará aplicar os recursos em melhorias para a infraestrutura de beneficiamento, armazenagem e logística.
Além do APL Vale do Rio Pardo, ainda foram outros cinco projetos estratégicos de Arranjos Produtivos Locais (APLs) para receberem apoio do Governo do Estado. No total, R$ 2,29 milhões serão aportados pela AGDI para concretização das iniciativas.
Para serem submetidas ao edital, as propostas deveriam demonstrar que promovem o desenvolvimento regional e geram ganhos econômicos às empresas integrantes do APL. Dessa forma, colaboram para aumentar a competitividade do arranjo, fortalecer sua governança e promover o desenvolvimento regional sustentável.

Os outros projetos aprovados, de um total de 29 propostas, são do APL Polo Naval e Offshore de Rio Grande e Entorno – Centro de simulação naval; APL Tecnologia da Informação da Serra Gaúcha – Prospecção e acesso a novos mercados; APL Jogos Digitais – Curadoria de jogos digitais; APL Polo de Moda da Serra Gaúcha – Portal e e-commerce coletivo e APL Metal Mecânico e Automotivo da Serra Gaúcha – Constituição de consórcios entre empresas para desenvolvimento e fabricação no RS de produtos adquiridos de fora do Estado.

Reunião
Nesta terça-feira, às 14h, todas as entidades que estão envolvidas no APL VRP estão convocados para uma reunião na sala Erva Mate da Afubra. Na pauta está apresentação e divulgação dos resultados do Edital 02/2015 da AGDI (Apoio à Governança) e Edital 03/2015 (projetos prioritários); e assuntos gerais.

Auditor do BID visita Feira da Agroindústria Familiar

A Feira da Agricultura Familiar que ocorre dentro da Oktoberfest recebeu a visita do auditor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) na quarta-feira, dia 14.

O economista Marco Tulio Ancieto França, que também é professor da PUCRS, esteve em Santa Cruz para verificar a aplicação dos recursos para a área de governança do Arranjo Produtivo Local (APL) – Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo.

12143197_1547288078826975_1588379841694817220_n

 

Efasc é agraciada com Prêmio Educação RS

Distinção foi entregue na noite desta sexta-feira, em evento promovido pelo Sinpro/RS, em Porto Alegre

Efasc recebeu prêmio Educação 2015 do Sinpro/RS  (Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Efasc recebeu prêmio Educação 2015 do Sinpro/RS
(Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Porto Alegre – O trabalho desenvolvido pela Escola da Família Agrícola de Santa Cruz (Efasc) em prol da educação do jovem do campo teve um importante reconhecimento nesta sexta-feira, dia 16. A entidade, que foi indicada pelo APL Agroindústria e Produção de Alimentos do Vale do Rio Pardo, foi agraciada pelo Prêmio Educação RS 2015, promovido pelo Sindicato dos Professores do RS (Sinpro/RS), na categoria Instituição, na sede da entidade, em Porto Alegre. A solenidade contou com a presença do secretário Estadual de Educação, Vieira da Cunha.

Além da Efasc, receberam a Pena Libertária o professor Rodrigo Allegretti Venzon, de Porto Alegre, pelo seu trabalho com educação em grupos indígenas e o projeto Quebrando as Grades da Ilusão, de Charqueadas.

“É com muita alegria que destacamos nesta edição três trabalhos de extremo valor para educação do Estado, que beneficiam a população indígena, jovens privados de liberdade e filhos de agricultores. É reconhecendo iniciativas como estas que buscamos fazer mais pela educação de qualidade”, afirmou Margot Andras, diretora do Sinpro/RS.

O sindicato concedeu também uma menção honrosa ao Colégio Coração de Maria, de Santa Maria, pela iniciativa da equiparação salarial dos professores do ensino fundamental, antecipando-se ao processo de aproximação dos valores hora-aula deste nível de ensino.

Escolhidos pelos votos da comissão julgadora e dos professores associados ao Sinpro/RS, os vencedores foram avaliados por critérios como o compromisso com a educação de qualidade, o desenvolvimento da cidadania e o acesso ao conhecimento. O Prêmio Educação recebeu um total de 56 indicações neste ano.

O professor e coordenador João Paulo Reis Costa, lembrou que o Sinpro/RS foi um importante parceiro para a busca do reconhecimento do Conselho Estadual de Educação, quando da sua instalação. “O Sinpro, com este prêmio está dando visibilidade a projetos que estão marginais na Educação do Brasil. Mas que são muito importantes dentro de determinadas camadas da sociedade. E a Efasc representa a agricultura familiar e que faz a produção de 70% dos alimentos que a sociedade consome, e alimento de qualidade, limpo”, observou. Ele comentou ainda que o prêmio é um reconhecimento aos pais dos alunos, que apostaram na educação diferenciada, galgada na pedagogia da alternância.

O agricultor Elton Hein, presidente da Associação Gaúcha de Escolas de Famílias Agrícolas (Agefa), destacou o trabalho desenvolvido pela Efasc em prol da juventude do campo. “É um trabalho árduo, mas ter um reconhecimento deste porte, em nível de Estado, tem um peso muito grande. A escola tem uma importância muito grande, pois quando recebemos nossos filhos novamente em casa, percebemos o quanto eles aprenderam”, observou.

 

CATEGORIA PROFISSIONAL

Rodrigo Allegretti Venzon, Porto Alegre.

Atua desde 1982 no apoio às Escolas Estaduais Indígenas. Atualmente na Secretaria de Educação do Estado, trabalha em conjunto com 17 Coordenadorias Regionais de Educação, nas diversas regiões do Estado, tendo por objetivo assegurar o atendimento específico respeitando o bilinguismo e a interculturalidade nas escolas indígenas. Rodrigo orientou os procedimentos administrativos para a regularização das escolas indígenas que resultaram no Parecer Normativo CEED nº 383/2002 e a autorização das escolas estaduais Kaingang de ensino médio, entre elas o Instituto Estadual Indígena Ângelo Manhká Miguel, no município de São Valério do Sul.

 

CATEGORIA INSTITUIÇÃO

Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul (Efasc), Santa Cruz do Sul.

Inaugurada em 2009, é fruto de um intenso trabalho de mobilização popular e de diversas articulações institucionais na região do Vale do Rio Pardo. Construída a várias mãos, é a primeira Escola Família Agrícola do Sul do Brasil. A Efasc tem como objetivo principal a oferta de uma formação profissional de nível médio (técnico em agricultura) no contexto da educação do campo, que é construída a partir da realidade dos sujeitos envolvidos e em conjunto com estudantes, famílias, professores e instituições parceiras.

 

CATEGORIA PROJETO

Quebrando as Grades da Ilusão, Charqueadas

O projeto do Núcleo Estadual de Educação de Jovens e Adultos Julieta Villamil Balestro (Neeja) visa provocar a reflexão dos jovens, privados de liberdade, sobre como seria sua vida, caso não tivessem entrado para o crime; bem como junto aos jovens e adolescentes da rede de ensino regular, uma reflexão do tema recorrente nas redes sociais de que o crime compensa: “ostentação”.

 

Saiba mais

Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul – EFASC

A Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul (EFASC) foi inaugurada em 2009, fruto de um intenso trabalho de mobilização popular e de diversas articulações institucionais na região do Vale do Rio Pardo. Construída a várias mãos, é a primeira Escola Família Agrícola do sul do Brasil. A EFASC tem como objetivo principal a oferta de uma formação profissional de nível médio (técnico em agricultura) no contexto da Educação do Campo, que é construída a partir da realidade dos sujeitos envolvidos e em conjunto com estudantes, famílias, professores e instituições parceiras.

A instituição tem como primeiro pilar a Associação Local de Famílias e desenvolve suas atividades por meio da Pedagogia da Alternância, um sistema educativos em que os estudantes passam um período de uma semana na escola, convivendo em comunidade e aprendendo juntos, e outro período de uma semana junto às suas famílias, afim de aplicar os conhecimentos construídos na escola e aprofundá-los por meio de experimentos e de pesquisa com a famílias e vizinhos, afim de gerar novas dúvidas a serem trazidas para a escola na semana seguinte.

Com isso se objetiva desenvolver uma formação integral dos estudantes, considerando os aspectos sociais, culturais, econômicos, para que estes jovens possam ser agentes de transformação em suas realidades, contribuindo para o desenvolvimento do meio onde estão inseridos. Assim também se busca favorecer um processo de valorização do campo como espaço de vida saudável e produção de alimentos, na contramão dos valores que fortalecem o êxodo rural dos jovens, problema que afeta toda a sociedade brasileira há décadas.

Assessoria de Imprensa do APL Agroindústria e Produção de Alimentos do VRP

Efasc levou pais e alunos para a solenidade em Porto Alegre  (Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Efasc levou pais e alunos para a solenidade em Porto Alegre
(Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Entrega ocorreu na presença do secretário de Educação, Vieira da Cunha  (Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

Entrega ocorreu na presença do secretário de Educação, Vieira da Cunha
(Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

APL Agroindústria e Produção de Alimentos indicou Efasc ao prêmio  (Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)

APL Agroindústria e Produção de Alimentos indicou Efasc ao prêmio
(Jacson Miguel Stülp/CaseMKT)