Histórico

A vocação da região Vale do Rio Pardo em produzir alimentos agroindustrializados veio com a colonização de imigrantes europeus e seus descendentes, a partir do ano de 1845. Esses colonizadores constituíram, na região, propriedades rurais de pequeno porte, tendo como base a mão de obra familiar, características dos agricultores familiares de hoje.
O surgimento das agroindústrias familiares da região aconteceu a partir das tradições culturais de seus colonizadores, com a industrialização de produtos cárneos e panificação pela cultura alemã, de derivados de cana-de-açúcar pela cultura açoriana, de frutas e de vitivinicultura pela cultura italiana. Essa prática de produção teve início para suprir, primeiramente, o autoconsumo das famílias e o excedente passou a ser comercializados para aquelas pessoas que se dedicavam a atividades não agrícolas.
Ao longo desse tempo, várias iniciativas de formação e legalização dessas agroindústrias familiares surgiram na região, com mais força na década de 1990. No entanto, a grande exigência em termos legais para regularização daqueles empreendimentos desestimulou grande parte das iniciativas, tendo em vista que as normas estabelecidas nas legislações federal e estadual adequavam-se somente à produção em grande escala.
Com o Programa de APLs do governo do estado do Rio Grande do Sul, a região identificou uma grande possibilidade de promover o desenvolvimento econômico através da agroindustrialização de matérias primas produzidas pelos agricultores familiares nos municípios do COREDE Vale do Rio Pardo. Esta iniciativa de articulação do APL teve início em abril de 2012, quando a AGDI divulgou o Edital 05/2012 para enquadrar dois APLs de Agroindústrias Familiares no Programa de APLs do Estado. Mesmo que a região não tenha sido enquadrada no primeiro edital, a articulação tornou-se mais forte entre as entidades que formavam a governança. Prova disso foi o reconhecimento, pela AGDI, do APL de Agroindústrias Familiares do VRP como um Arranjo Produtivo Local em novembro de 2012.
Com o enquadramento do APL VRP no Edital de 2013, a região, através dos empreendedores, instituições públicas e privadas, associações e entidades representativas, busca consolidar a atividade de industrialização de alimentos, através de ações coordenadas, planejadas e focadas em resolver os entraves, bem como, fortalecer as potencialidades de toda a cadeia produtiva de agroindústria familiar.