APL VRP conhece pesquisa em Inovação na agricultura familiar

Professor quer formar parceria para aplicar a pesquisa no Vale do Rio Pardo

Santa Cruz do Sul – O APL VRP – Agroindústria e Produção de Alimentos tem a possibilidade de participar de uma pesquisa inédita sobre inovação na agricultura familiar. O Arranjo Produtivo Local do Vale do Rio Pardo conheceu do professor e agrônomo Alex Alexandre Mengel, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a pesquisa “Análise do papel dos agricultores na produção de soluções tecnológicas para a agricultura familiar”.

O pesquisador procurou o APL VRP para desenvolver a pesquisa em parceria com as entidades que compõem o arranjo, como a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Uergs, Afubra, Emater, sindicatos, entre outros.

Segundo o pesquisador Alex Mengel, o objetivo da pesquisa é aprender como acontecem os processos de geração de soluções tecnológicas na agricultura familiar, bem como, as razões que levam os agricultores familiares a desenvolverem soluções próprias para seus problemas produtivos. Para tanto, serão analisadas soluções tecnológicas desenvolvidas e/ou adaptadas por agricultores familiares em suas atividades produtivas.

A partir disso, a ideia é identificar o perfil dos indivíduos que produzem as consideradas novidades – o que por hora denomina-se de soluções tecnológicas – na agricultura familiar, bem como em que tipo de organização estão inseridos, de modo a depreender quais são as condições que possibilitam, inibem ou encorajam este processo. Nesse sentido observa-se, por exemplo, se estes indivíduos estão inseridos em algum complexo agroindustrial de maneira integrada (como produção de tabaco, suíno, aves); se os indivíduos estão inseridos no comércio de suas regiões por meio de cooperativas, associações de agricultores, entre outros; se os indivíduos estão inseridos em redes de agricultura ecológica ou se estão inseridos em mercados de produtos convencionais; ou se atuam em parceria com técnicos da extensão pública, técnicos de cooperativas, técnicos de associações voltadas à produção agroecológica, se atuam em parceria com outros agricultores ou se atuam isoladamente.

O pesquisador também pretende identificar qual a destinação das tecnologias surgidas, de modo a entender onde se encontram as maiores dificuldades tecnológicas da agricultura familiar. “Queremos observar, por exemplo, se são tecnologias voltadas à infraestrutura de produção, voltadas à mecanização, à conservação do solo e dos demais recursos naturais, se dizem respeito a novas possibilidades de manejo ou voltadas à comercialização. E propor um método de busca, identificação, caracterização e classificação de soluções tecnológicas produzidas pelos agricultores, de modo a tornar mais fácil sua identificação e valorização”, aponta.

Segundo o professor Alex Mengel, que é natural do Centro-Serra, do município de Sobradinho, o primeiro desafio que surge refere-se ao recorte espacial a ser considerado no estudo, visto que pretende perceber a forma com que diferentes configurações organizacionais e institucionais contribuem nos processos de criação de soluções tecnológicas (visando a solução desta questão, propõe-se como método a análise comparada de duas ou mais regiões). “O segundo desafio diz respeito a como localizar os agricultores que desenvolveram alguma solução tecnológica. O terceiro, na eleição do método para catalogar, classificar e analisar cada uma das novidades produzidas, bem como analisar o contexto social, econômico, e o quadro institucional e organizacional em que está inserido seu desenvolvedor”, observa.

Contribuições
A pesquisa, que está em fase inicial de execução vai contribuir para a melhor compreensão do papel exercido pelos agricultores familiares na geração de suas próprias tecnologias. No mesmo sentido, tem o potencial de colaborar para que novas pesquisas para a agropecuária, realizadas pelas instituições de pesquisa existentes, considerem o papel dos agricultores nesse processo, bem como a importância das novidades produzidas pelos mesmos. Ela pode, ainda auxiliar também na construção de políticas públicas destinadas ao desenvolvimento tecnológico da agricultura familiar, que tomem os agricultores, como sujeitos atuantes nesse processo. Esta pesquisa também visa contribuir para a melhor compreensão a respeito dos incentivos exercidos pelas instituições e organizações no processo de geração de soluções tecnológicas por parte dos agricultores.

A equipe, ao buscar desenvolver os trabalhos propostos, se constituirá em um grupo de pesquisa que reflete sobre inovações tecnológicas na agricultura. Esta será uma grande contribuição, manter atuante um grupo que envolva estudantes de iniciação científica e professores interessados em refletir sobre os conceitos de “inovação tecnológica”, “novidades”, entre outros. “Este grupo, ao articular-se com as organizações parceiras do projeto, no trabalho de catalogação de novidades dos agricultores, gerará material empírico para novas pesquisas, bem como, poderá formular novas questões”, explica o professor Alex.

Com as informações colhidas por meio de técnicas audiovisuais, propõe-se a criação de um sítio eletrônico, para a disponibilização ao público de uma espécie de catálogo de novidades da agricultura familiar, o que por intermédio das organizações parceiras, poderá configurar-se em um valioso instrumento de publicização das contribuições dos agricultores para outros agricultores e por intermédio do grupo de pesquisas criado, poderá servir aos pesquisadores das questões referentes ao rural e à agricultura. Este sítio eletrônico será alimentado pelo grupo de pesquisas criado.

Jacson Miguel Stülp – MTb /DRT-RS 9692
Direção de Conteúdo
Jornalista / Assessoria de Imprensa/
assessoria@casemkt.com
(51) 3056.2840 / 8164.0023
FB: CaseMarketing / Skype: Jacson.miguel.stulp

CASE MARKETING
Rua 28 de setembro, 624 / sala 624
Centro – 96810 174 – Santa Cruz do Sul/RS
www.casemkt.com